English French German Japanese Portuguese Spanish

Newsletter

Receba novidades no email!



1987285
Nós temos 72 visitantes online

Início Blog do Pai de Santo VÃO CUIDAR DE SUA FÉ E DEIXEM A UMBANDA EM PAZ, QUE SACO!
VÃO CUIDAR DE SUA FÉ E DEIXEM A UMBANDA EM PAZ, QUE SACO!
Escrito por Pai Paulo   


Nos deixem em paz!


Olá visitante!

Assista o video abaixo e em seguida leia a mensagem.




Pois bem, Divaldo Franco é sem duvidas um dos nomes mais respeitáveis dentro da doutrina Kardecista, provado está por seus inumeros ensinamentos.
Mas esse video com suas palavras retratam apenas uma coisa:

"A total ignorancia nas nossas práticas"!

Alegar que um preto velho é um espirito atrasado e não deve ser ouvido é o mesmo que afirmar que a humildade ensinada por Jesus através da doutrina kardecista é uma farsa, é uma mentira.
Se deles próprios partem os ensinamentos da pluralidade das existencias, é óbvio que nossos queridos pretos velhos nem sempre foram escravos "ignorantes" como cita Divaldo Franco e muitos outros doutores nos assuntos da espiritualidade.
Ninguém pode afirmar que o preto velho que incorpora no terreiro de Umbanda, em vida passada não foi um médico, um professor, um cientista, um rei, um juiz, um padre honesto, etc. (Leia no Blog "Histórias de Preto Velho, acesse;)

http://www.nuss.com.br/blog-do-pai-de-santo/68-historias-de-preto-velho.html

O jugo da escravidão foi para muitos espiritos um resgate cármico necessário, mas não o necessário ao adiantamento espiritual de alguém e sim, ao pagamento de suas dividas passadas.
Em dedorrência dessa lógica, afirmar que os pretos velhos trabalhadores na Umbanda não devem ser ouvidos em reuniões espiritualistas ou não devem ser considerados espiritos guias em nossas reuniões é uma total afronta a religião de Umbanda.
A religião de Umbanda nasceu nas senzalas em meio aos escravos e dentro desse raciocinio, os pretos velhos são nossos maiores dirigentes, juntamente com os nossos indios e os mestiços como os caboclos, na realidade são eles os verdadeiros fundadores de nossa religião. Muitos nos criticam pelo uso de velas, cachimbos, charutos, bebidas, etc, mas desconhecem totalmente o uso dessas coisas e como elas atuam no mundo astral.
Se para alguns uma vela serve apenas para iluminar um ambiente, essas pessoas desconhecem o que a mente humana é capaz de fazer no simples ato de acender velas. Desconhecem o processo, mas julgam tudo saber e alegam serem bobagens oriundas do fanatismo.

O meu contato com a linha dos pretos velhos nos ultimos 40 anos me ensinou apenas uma coisa:

"A humildade que neles é nata"!

Vi pretos velhos absorverem das pessoas mágoas tremendas, psicoses, traumas, ódios e um  sem fim de sentimentos indignos e deles sempre partiram as lições de perdão as ofensas, para sermos humildes, para sermos solidários com os menos afortunados, para ajudar o próximo, para trabalhar espiritualmente com muita fé "no amanhã" porque a morte virá nos buscar e por ai vai...
Vi os pretos velhos desmancharem hediondos trabalhos de magia negra com grande "competência" no assunto (e usaram velas no processo).
Vi pessoas doentes encontrarem a cura com os pretos velhos e seus remédios caseiros, já que a medicina do homem não encontrava a cura e nessa ocasião perguntei ao preto velho "por que" o médico não conseguiu curar a pessoa e ouvi a seguinte resposta:

"O médico entende das coisas que aprendeu na escola, o médico não entende do que fazemos"!

Em nossos templos comparecem em busca de ajuda pessoas de diversas classes sociais, mas em sua maioria, o seguidor umbandista é o ser pobre materialmente ou de pouca cultura e que não tem ao seu alcance intelectual os meios para compreender as obras kardecistas, esses seguidores, no entanto, encontram nos pretos velhos e demais guias da Umbanda as palavras e respostas as suas duvidas, seus medos e seus´problemas, dentro de uma linguagem que somente a pessoa irá compreender e isso é o que nos importa.
Quanto a cultura dos pretos velhos e demais guias da Umbanda, notei que se uma pessoa é muito humilde e sem cultura, nossos amigos ex-escravos lhes dirigiam palavras que conseguiam compreender, para outras de maior cultura, o nivel da comunição subia e para os doutores que os procuravam, o diálogo era de alto nivel.
Vi pretos velhos e caboclos se dirigirem as pessoas em francês, inglês e japonês quando o consulente era estrangeiro e não conhecia a nossa lingua, provando a pluralidade das nossas existencias.
O video gravado foi muito infeliz em seus objetivos e tentou transmitir que nossas praticas são incorretas aos olhos de Deus, mas deveria antes de qualquer insinuação compreender que:

"Todas as religiões salvam almas"!

E mais, em que a Umbanda com seus espiritos "bugres" prejudica as pessoas, se aquilo que aprendemos com nossos pretos velhos são as lições claramente ensinadas no Evangelho de Jesus, sendo mais do que provado, que os pretos velhos são ferrenhos seguidores de Jesus.

Já é hora de dizer "chega"!

Que todos que nos atacam, sejam eles evangélicos, católicos ou kardecistas que nos deixem em paz.

Que evoluam, que sigam com sua fé e suas vidas e nos deixem em paz com nossos guias e demais amigos da espiritualidade.

Antes de criticar, deve-se antes constatar a verdade e não pregar negativamente aquilo que se ouviu falar.

Existem bons e maus umbandistas, católicos, evangélicos, kardecistas, etc. A culpa nunca é de uma igreja, mesmo porque as igrejas pertencem a Deus, desta forma, em decorrência da lógica, todas elas são boas.

A passagem histórica que retrata o inicio da Umbanda ocorreu em situação semelhante, onde o médium Zélio Fernandino de Moraes incorporou em reunião kardecista o espirito de um preto velho "que a principio não foi aceito na reunião por ter sido  escravo em existência anterior", transmitindo aos presentes na ocasião o quanto eram cegos e hipócritas, ao que parece a história ainda se repete.


Que saco!


Na pagina 134 do livro "Loucura e Obsessão" de Divaldo Franco está psicografado o seguinte texto:

A porta de entrada, alguns ex aborigenes em trajes cerimoniais e ex excravos vestidos a caráter...

Na página 137

Ao ritmo das palmas e atabaques, entre odores de velas acesas, incensos e flores diversas, formou-se o circulo em frente ao altar...

Na página 140

Um tanto primitivo sim, porém, eficiente!
Talvez grotesco, no entanto, portador de excelentes resultados!


Esse  capitulo trata de uma seção de desobsessão em um templo de Umbanda.
O ensinamento serve para vender livros, mas não serve para dar o mérito aos verdadeiros participantes no processo.

No meu entender:

Hipocrisia!


Recentemente ao final de um de nossos trabalhos o Preto Velho Pai João do Congo, entidade que comanda o Núcleo Umbandista São Sebastião, cantou o seguinte ponto:

Seu padre abre a porta
Porque eu quero adentrá
Eu construi essa igreja
E nela eu quero rezá

Na casa de Jesus Cristo
Todos podem adentrá
Eu nasci negro seu padre
Mas eu também sei rezá...

Acho que o ponto já transmite tudo!

Como escravo serviu e foi usado descaradamente pelo padre para construir uma igreja, mas devido a cor de sua pele não podia participar das missas porque o padre era branco e o considerava um animal ou seja:

Alguém sem alma!


Acredito que no futuro renasceram como negros, para viverem o desprazer de sentir na própria pele (ou na cor) o que dispensaram ao próximo.

Apenas para salientar; 

Eu, pai de santo que escreve estas linhas, "sou branco" e tenho pelos pretos velhos respeito sem igual e exijo esse procedimento de qualquer um que entre em nossa casa, cite a religião de Umbanda ou com ela tenha algum contato.

Nos deixem em paz no ambito "material e espiritual" com nossos negros, indios, mestiços, nordestinos, etc...!

.

 

Comentários (2)
  • Maria Gildemar de Oliveira
    Gostei bastante do que escreveu. As pessoas se dizem religiosas e esquecem o que o mestre ensinou ; amar ao próximo como a si mesmo...
  • Anderson Maia  - SOBRE FALA DE DIVALDO
    Realmente parece-me que Divaldo foi infeliz nesse comentário. E embora ele queira mostrar que sua ideia é contra o racismo; acabou por reforçar esse racismo. É muito comum vermos 'psicofonia' em casas kardecistas de mentores alemães com sotaques "típicos de um autêntico alemão". Ora se o alemão pode, porque o africano não? Se formos olhar friamente estaremos ao defender uma superioridade alemã defendendo 'o nazismo', ainda que esse 'nazismo' não seja percebido conscientemente, além de reforçarmos um preconceito racial de uma superioridade branca sobre a raça negra. Preconceito esse, que é nosso e não de um plano espiritual! Ademais, se formos defender as ideias que Divaldo defende, teremos que eliminar cor, raça, diferentes culturas e até o gênero (feminino e masculino) dos mentores. Ora,embora reconheço as belas mensagens da mentora de Divaldo Joanna de Ângelis, a mesma se manifesta como características femininas e culturalmente na roupagem de uma freira, Por que então, o preto velho não pode ser um preto velho, mas uma freira pode ser uma freira? E embora esse mesmo médium psicografou um belo livro sobre a religiosidade afro-brasileira: "Loucura e obsessão" me parece que realmente não assimilou bem os ensinamentos dos quais foi instrumento. É uma pena! Por fim, acredito que independente da religião e da roupagem cultural que essa ou aquela religião possa ter, o mais importante é Deus. E nós humanos somos prepotentes ao traduzirmos o pensamento de Deus. Na verdade ninguém pode saber de fato o que Deus quer ou pensa; então porque devo julgar que minha crença ou religião é melhor do que a do outro, sabe mais do que a do outro!?
Escrever um comentário
Your Contact Details:
Comentário:
Security
Por favor coloque o código anti-spam que você lê na imagem.
 

Enquete

Devemos cobrar por trabalhos?

Nunca! - 84.5%
Claro, para subsistência do médium! - 8.5%
Sim, nada mais justo! - 5.1%
Somente médiuns deficientes físicos - 1.9%

Total de votos: 9851
The voting for this poll has ended Ligado: 25 Nov 2016 - 00:00

CopyRight 2008 NUSS- Núcleo Umbandista São Sebastião - Todos os direitos reservados.