English French German Japanese Portuguese Spanish

Newsletter

Receba novidades no email!



1924140
Nós temos 35 visitantes online

Início Blog do Pai de Santo A Umbanda na visão de Ramatis (ESCREVEU POUCO E DISSE TUDO) Leia!
A Umbanda na visão de Ramatis (ESCREVEU POUCO E DISSE TUDO) Leia!
Escrito por Pai Paulo   



A Umbanda na visão de Ramatis


ramatis

 

 

Ramatis é inegavelmente um referencial altamente positivo no assunto "espiritualidade" provado está por suas inumeras obras relacionadas ao assunto.
O texto abaixo foi extraido da obra A Missão do Espiritismo, livro psicografado através do médium Ercilio Maes em 1967.

Leia com atenção!



A Umbanda é como um grande edifício sem controle de condomínio, onde cada inquilino vive a seu modo e faz o seu entulho! Em conseqüência, o edifício mostra em sua fachada a desor­ganização que ainda lhe vai por dentro!
As mais excêntricas cores decoram as ja­nelas ao gosto pessoal de cada mora­dor; ali existem roupas a secar, enfeites exóticos, folhagens agressivas, bandei­ras, cortinas, lixo, caixotes, flores, vasos, gatos, cães, papagaios e gaiolas de pás­saros numa desordem ostensiva.
De­bruçam-se nas janelas criaturas de toda cor, raça, índole, cultura, moral, condição social e situação econômica, enquanto ainda chega gente nova trazendo novo acervo de costumes, gostos, tempera­mentos e preocupações, que em breve tentam impor aos demais
.

Malgrado a barrafunda existente, (barrafunda = bagunça, desorganização) nem por isso é aconselhável dinamitar o edifício ou embargá-lo, impedindo-o de servir a tanta gente em busca de um abrigo e consolo para viver a sua expe­riência humana. Evidentemente, é bem mais lógico e sensato firmar as diretrizes que possam organizar a vivência provei­tosa de todos os moradores me comum, através de leis e regulamentos formulados pela direção central do edifício, e destinados a manter a disciplina, o bom-gosto e a harmonia desejáveis! (p.130-132)


Comentário do pai de santo

Pois bem, a explicação acima retrata claramente a nossa atual realidade.
Se você é umbandista irá concordar com o texto acima, já que é desta forma que a sociedade também nos vê.
A Umbanda é uma religião ainda em tenra idade, se comparados os nossos 100 anos de prática aberta ao de outras religiões milenares, nesse raciocínio a Umbanda é ainda uma criança.
Nessa obra Ramatis deixa claro que pertence aos praticantes e seguidores da Umbanda a missão de modificar a forma como a sociedade nos enxerga, desta forma, pertence ao dirigente umbandista (sacerdote ou pai de santo) e aos seus seguidores (médiuns e cambones(os) as medidas  que se fazem necessárias para nos firmarmos como religião, tendo em vista a diversidade das práticas de um templo para outro, onde uma codificação é ainda um sonho.
No meu ponto de vista o nosso maior problema é o fanatismo que ainda reina em nosso meio ou ainda, a ignorância com origem na falta de observação das regras e diretrizes estabelecidas pelos guias da Umbanda e também as introduções ritualisticas oriundas do Candomblé ou de outras religiões, já que sabidamente Umbanda e Candomblé são tão diferentes uma da outra, como o dia é da noite, tentar misturar os dois cultos é o mesmo que tentar misturar agua com óleo.
A Umbanda não desmerece o Candomblé ou qualquer outra religião, na verdade a Umbanda não desmerece religião alguma, os guias da Umbanda deixam clara essa determinação sob o seguinte argumento:

"Todas as religiões salvam almas"!

Resumindo esta passagem, o mau seguidor umbandista e os mistificadores  são os unicos responsáveis pelas atrocidades praticadas em nome da Umbanda, mostrando aos leigos em nossas práticas o que a Umbanda não ensina e nunca pratica, fazendo valer a seguinte frase:

"A religião de Umbanda não é responsável pelos absurdos praticados em seu nome, da mesma forma que Jesus Cristo, não é responsável pelos absurdos que são praticados em nome de Seu evangelho"!

Reflita!

Comentários (2)
  • Sérgio Franklin  - A Umbanda na Visão de Ramatis
    Senhores, ~ Não sei nada, mas peço-lhes a permissão para refletir e endereçar algumas linhas. Sou Umbandista e faço a seguinte observação: Quem são os regentes das sete linhas da Umbanda? De onde vem Oxalá, Ogum, Oxosse, Nanã, Yansã, Oxum, Xangô, Obaluaê? São divindades do panteão africano, todas cultuadas no candomblé e na umbanda. Então, pergunta-se: como a umbanda e o candomblé podem ser diferentes como água e vinho, como o senhor declarou?
  • paidesanto  - Resposta ao Sérgio
    Prezado Sergio, O fato da Umbanda cultuar aos Orixás não indicam que existam semelhanças na forma de seguir aos Orixás entre Umbanda e Candomblé. Nesse raciocínio, a Umbanda teria também origem no Catolicismo e faria missas em seus trabalhos, já que as imagens dos Santos Católicos estão presentes nos altares da Umbanda. Só para seu esclarecimento a Umbanda não sacrifica animais, o que já faz a Umbanda diferente do Candomblé. Grato por sua colaboração.
Escrever um comentário
Your Contact Details:
Comentário:
Security
Por favor coloque o código anti-spam que você lê na imagem.
 

Enquete

Você acha correto o uso de animais como oferenda nos cultos de Umbanda?

Não, a verdadeira Umbanda não pratica tais atos contra os animais e nem há tal necessidade para com os Orixás - 85.5%
Claro, a Umbanda tem este dogma desde suas raízes - 3.5%
Sim, os Orixás precisam das forças destas oferendas - 5%
Sim, afinal mal não vai fazer - 0.9%
Não sou contra nem a favor, não quero me envolver - 5.1%

Total de votos: 7366
The voting for this poll has ended Ligado: 25 Dez 2016 - 21:57

CopyRight 2008 NUSS- Núcleo Umbandista São Sebastião - Todos os direitos reservados.